sábado, 19 de dezembro de 2015

Voltei

Oi, sou eu.
Eu estive sumida por algum tempo, mas eu voltei.
Onde eu estava? Eu estava onde ninguém quer estar.
Estava presa num mar de ilusões.
Essas ilusões que me fizeram acreditar. 
Desde do meu nascimento até o dia de hoje.
Eu escolhia não por mim, pelos outros. Pelo o que me disseram, o que eu deveria fazer, porque é assim que todos aprenderam.
Então indaguei: - Mas porque não de outro jeito? Sempre do mesmo? O que acontece se fizer diferente?
Porque, porque, porque?
E as repostas: - Porque é assim, porque tem ser assim, porque sempre foi assim.
Mas não, não é bem assim.
Mas lutar contra tudo e todos sobre o que aprendemos, isso é difícil.
Na história do mundo, quantos morreram por querer o diferente? Por querer saber mais? 
Pensar pode ser perigoso?
Sim, e é isso que temem os que estão no poder.
Acho que ouvi algo assim na aula de Filosofia.
Mas assim como todos eu não tenho medo do que virá. 
Nem do que irão fazer de mim.
Eu sei que posso mudar, tudo e todos.
E eu não vou desistir.
Então eu acordei, e mudei a pergunta. 
Essa agora em vez de "porque" troquei para "como"
Como eu lido com isso? Como eu reajo a isso? Como eu irei tratar disso?
Como? Eu ainda não sei.
Mas já sei o que estava fazendo de errado com os porques.
E isso já é metade do caminho.

domingo, 18 de outubro de 2015

Self


Eu não sei o que estou fazendo com isso que chamo de vida.
Não sei mas quem sou eu.
Parece uma luta eterna de duas pessoas, ou mesmo segundo Rogers, o self real contra o self ideal.
Estou com medo, triste, com raiva, querendo saber como agir.
Não saio mais, não conheço novas pessoas, não tento relacionamentos.
Essa vida monótona está quase me matando.
Porém, eu não estou muito a fim de voltar a viver, eu tentei por muito tempo, até que cansei. 
E não parece que voltarei a ficar bem.


sábado, 15 de agosto de 2015

Perdida

Me sinto perdida.
Por que isso sempre se repete?
Eu sempre volto para o mesmo lugar.
Não importa quanto tempo passe, o que aconteça, onde e como estou, eu sempre ao mesmo lugar.
Que é lugar algum.
Me vejo sozinha, triste, com raiva, aquela vontade de chorar mas eu não choro.
E o porquê?
Eu não sei.
Eu nunca sei.
Eu me perco nas lembranças, e tudo começa a me incomodar novamente, como se eu estivesse guardando os problemas e do nada todos reaparecem.
Eu só quero que isso vá embora de uma vez por todas. 
Mas é tão difícil me concentrar. 
Não vou tentar mais vez.
Vou dar um fim dessa vez.
E será pra sempre. Pra sempre!

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Saudade

Eu sinto falta de você. Antes de dormi, quando eu acordo, durante o dia quando eu vejo alguém parecido com você.
É uma conexão de 9 meses, e eu não sei explicar como é tudo isso. 
Eu só posso te dizer que sinto muito a sua falta.
Só de te ver eu já começo a tremer, encostar em você é quase um choque, seu beijo me deixa perdida, como se eu esquecesse do mundo enquanto te beijasse.  
O mundo era perfeito quando eu estava com você, não importava o lugar, as pessoas, o que estávamos fazendo, eu só queria sentir aquilo, eu só queria ter você por perto cada segundo.
É como se só tivesse sentido se fosse com você, você era tudo e muito mais. 
Era melhor que encontrar Deus, eu enfrentaria qualquer um por você.
Eu fazia coisas sem pensar, não precisava de muito para me controlar.
Taí, me controlar, algo que você sempre fez, você mantinha sempre o controle pra quando precisasse me usaria.
Mas eu cansei, apesar da grande falta que faz, eu sinto um grande alívio por ser dona de mim mesma e dos meus gatos.
Agora você, você não manda mais em mim.

domingo, 26 de julho de 2015

Sei lá

Parece que as coisas estão diferentes, eu não sei.
Não sei o que pensar, como agir, estou perdida.
Viajando na maionese.
Não sei no que acreditar e não acreditar.
Não quero ser rotulada. 
Só viver, curti, respirar fundo e poder sorrir. 
Tem coisa mais interessante pra fazer? 

Tempo

Os dias passam rápidos demais, nem dá pra ver. 
Os carros voam na velocidade da luz. 
A bolsa de valores muda a cada segundo, um segundo e tudo está perdido ou ganho. 
As pessoas correm pela faixa de perdeste para atravessaram seguindo seu caminho seja ele qual for. 
Nos hospitais, um segundo e alguém é dado como vivo ou morto.   
E o relógio? Ah esse não perdoa, na hora que você percebe o tempo já passou, a terra girou, e você envelheceu e nem percebeu.
É a contagem regressiva para o dia de nossa partida. 
Mas essa viagem, essa não tem como voltar.

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Mais amor!

É assim que eu me sinto.
Exatamente como na imagem as vezes.
Dá vontade de enfiar a cabeça numa sacola e me esconder das pessoas.
Por que nessa vida, tem coisas que não precisam ser ditas, coisas que não precisamos ouvir, mas mesmo assim ouvimos.
E dói. Dói muito.
E a pessoa que disse não notou a gravidade daquelas palavras.
Palavras que poderiam ter sido ditas de outras maneiras.
Da forma que o entendimento chegaria a pessoa, sem precisar dessa grosseria toda.
Mas não.
É tão mas fácil quando não é conosco né?!
Como dizia minha mãe: -"Pimenta nos olhos dos outros é refresco".
Está faltando empatia no mundo, está faltando entendimento da palavra alteridade, está faltando respeito pelo próximo.
Se os religiosos que deveriam semear amor, estão cheios de discursos de ódio, e os que se dizem "maus" o que devemos esperar? 
O fim do mundo é todo dia. 
Eu só estou pedindo mais reflexões sobre os outros, e menos agressividade. 
O mundo precisa de amor!